Atenção para as pesquisas e muito cuidado com alguns veículos de comunicação...


Baixada a poeira deste dia 7 de outubro, muitas novidades no cenário político regional e nacional.

A começar pela derrota de Roberto Requião e a terminar com o segundo turno entre Bolsonaro e Haddad, mesmo com suspeitas de números que não fecham, o paranaense ficou de olho no comportamento dos candidatos.

Se anos atrás a palavra de Requião era uma só, o que se viu nesta eleição é que ele defendeu bandeiras um pouco à esquerda demais para seu eleitorado. Ao defender Lula, PT e criticar STF, apoiando Maduro, Requião talvez tenha se desviado um pouco do comportamento conhecido e das falas tradicionais. Sem se falar no pedágio, que prejudicou seu discurso antigo.

Não baixou e nem acabou e lhe prejudicou.

Vai a velha raposa e entra uma nova: Oriovisto Guimaraes, o antigo professor do Positivo, que construiu um império e dedicou-se a vida toda para a educação. Hoje, entra na política com uma cabeça pensante em benefício do Estado do Paraná.

Há quem o critique, pois está bem de vida. E por isso, não pode ser candidato? Pode e ser eleito é bem melhor.

Para os outros cantos, deputados famosos não se elegeram, nem para estadual e nem para federal.

Gente da antiga ficou decididamente na antiga. Nomes novos surgiram e agora começa a expectativa.

Na verdade, que tenham boa sorte e que contribuam para o desenvolvimento do Paraná. Afinal, Ratinho Jr. foi eleito com ampla maioria e muito se espera dele.

Mas o fato é que o país ficou de olho na eleição presidencial.