Chato é uma coisa, imbecil é outra...


E caminhando pela rua, conhecido de longa data e bom de prosa, me pergunta: “Você se dá com quem é chato?”

Perguntinha difícil, mas que me fez pensar enquanto terminava a caminhada.

E assim pergunto ao leitor: você se dá com quem é chato?

Primeiro porque é difícil taxar uma pessoa de chata. E quando taxada, aí fica a imagem e também fica difícil a convivência.

Mas em muitos casos, você se vê obrigado a conviver com aquela pessoa chata.

Nesta altura da minha caminhada, aprendi que é melhor evitar o chato, até para o bem de sua saúde (a sua saúde e não do chato).

Mas se for inevitável, quanto menos tempo ficar por perto, melhor.

E tem gente que entrou na fila duas vezes para ser chato.

Pessoas que não tem o menor sentido de noção, de comportamento, da maneira de ser.

E algumas até são avisadas, mas daí, pioram a chatice.

E, de fato, é difícil conviver com quem é chato.

Deixei disto tem uns 10 anos e minha vida melhorou muito.

Porque o chato a gente evita, a gente desvia, a gente não convive e pouco menos procura.

Aí vem a pergunta inevitável: chato tem cura? Pelo visto, não.