Hoje recomeça a tortura do futebol nacional


E foi-se a Copa....ficaram as copas de casas que ainda mantém esta peça na divisão.

Ficaram as copas ainda à venda em lojas da cidade. A Copa, a tal da Copa do Mundo, foi-se.

Com lições que dificilmente aprenderemos, pois nossos treinadores “sabem de tudo” e não precisam observar conselhos e fatos comprovados de que a Europa está na nossa frente. Aliás, nosso futebol anda muito feio, muito manjado e nossos craques são de vitrine e não de raça, como os jogadores da Croácia ou do Uruguai.

A final da Copa nos mostrou que mesmo esbugalhados, os jogadores correram, jogaram, vibraram e honraram o país que mais comemorou em todas as partidas. Além das prorrogações, tiveram o craque da Copa e a melhor presidente do país presente.

Quanto a nós, melhor não comentar tudo o que já foi dito. O pior é que hoje recomeça a tortura do futebol nacional, com a Copa do Brasil e o Campeonato Brasileiro na próxima quarta. Lá vem sofrimento. Afinal das contas, somos brasileiros e torcemos, mesmo que sofrendo.

A Copa deixou lições de humildade e de soberba também. A França, mesmo campeã merecidamente, comemorou em solo francês com a selvageria somente vista nas manifestações brasileiras. E além de tudo, uma seleção composta de imigrantes, como a imprensa mostrou. Mas o técnico, era o Dechamp, ex campeão e modelo de treinador. A Croácia, repito, mostrou raça e determinação, espírito de equipe, mesmo com os não tão bons jogadores, mas com uns 4 ou 5 que desequilibraram, além da força da camisa. E registre-se: foi a Copa dos goleiros. Muitos com destaque, embora os frangos também marcaram a granja da Rússia. E alguns com replay de assustar qualquer zagueiro.

E queiram ou não, a presença da presidente da Croácia na geral dos estádios, deu mais força para a turma dos onze.

O técnico, frio e calculista, sobressaiu-se dentro do cenário do próprio país e deu ao mundo um exemplo de segurança.

Enfim, o que nos resta é apreciar o que existiu de bom (o técnico da Rússia aprendeu a sorrir) e esquecer o que aconteceu de ruim, a começar pela nossa desclassificação.

Mas desde 98, não vi neste ano a tristeza nacional aparente e o desespero pela perda da vaga.

O país, lá no fundo, já esperava. Só não esperávamos o Neymar virar alvo de gozação no mundo inteiro, sem exceção.

Pode ser que para a próxima tenhamos JOGADORES DE FUTEBOL, sem tanto marketing, sem tanta tatuagem, sem tanta imprensa em cima. Craques de bola, somente.

Isto faltou este ano.

Ative novo.png
Portal 163.jpg
Confira nossas OFERTAS
Ative novo.png