Bendita noite.....a melhor amiga do homem


O copo de cerveja vazio caído sobre a mesa, tendo ao lado o toco de cigarro no chão, denunciava o silêncio do ambiente agora rompido pelos primeiros raios de sol que passavam pela janela de madeira. Este silêncio que permitia acordar de um sono profundo, ainda sentindo o cheiro da cerveja vencida e do cigarro consumido vorazmente na noite anterior. Bendita noite.....a melhor amiga do homem durante muitos anos. A noite que esconde segredos que somente são desvendados na boemia sadia que nos atrai. Boemia que ensina, que desnuda, que revela. Na mesa ao lado, a imagem da cantora deitada em cima dos braços, tendo o vestido quase caído por sobre o ombro e um seio à mostra. Em movimentos leves ela também acordava de um sono em lá maior, embalado por Dolores Duran e Cartola.

Os raios de sol tomaram corpo e clarearam o ambiente por completo. Já era dia.....mais um dia. Ainda viriam pela frente, mais 12 ou 14 horas para o recomeço. Pois a boemia é isso: um recomeço diário, onde o sorriso impera, mas o desgaste acompanha. Onde sorrisos atraem pessoas e relacionamentos começam alí, em meio a cervejas geladas ou cubas com rum nacional. Fumaças despistam maquiagens mal feitas, mas o clima permite um envolvimento.

E quase sempre, companhias da boemia são inesquecíveis. Nem tanto pela beleza, mas principalmente pela conversa que se põe à mesa. Quando tudo corre bem, uma noite de amor fica marcada para muitos anos ser lembrada como especial. Ou não.

Quem vive a boemia sabe que a noite faz amigos. E alguns são para sempre, mesmo que não saibamos os nomes corretos uns dos outros.

O reencontro depois de um tempo, o tocador de violão que já sabe a música que você gosta, já cantarola de forma suave para chamar sua atenção e agradar o amigo.

A bebida, às vezes você nem pede e o